• Home
  • |
  • Sobre a Autora
  • |
  • Livros
  • |
  • Vídeos
  • |
  • Agenda
  • |
  • Parceiros
  • |
  • Contato
  • Além do Amor - Capitulo 65 - Final




    "Amor, tire meu fôlego! 
    Eu imagino o Adam dizendo isso. Chegou o fim, dessa história, que venham outras e que mais uma vez eu possa encantar o coração de vocês. Lembrando que no E-book tem os extras, inclusive a Lua de mel. 
    Obrigada por todo o carinho. Deixarei os capitulos finais aqui por alguns dias para que todas possam ler, depois apenas degustação. 
    PS: Eu tenho um livro chamado O preço de um amor, que voltarei a postar aqui, desde o inicio para quem quiser acompanhar. Postarei toda quarta. Quanto aos outros livros, breve trago novidades. A sequência por enquanto é: 
    Liam
    Peter 
    Charles. 
    Obrigada, obrigada, obrigada!!!!


    Penelope



    Mesmo com todas as enfermeiras e o próprio médico tendo me garantido que Adam está bem, só desgrudei da cabeceira de sua cama por dois momentos: quando Adam foi atendido para refazerem os pontos que havia estourado e quando transferido de quarto. Nas duas vezes estive com Ben. Essas últimas horas foram tensas e assustadoras, nada me faria ficar longe deles.
    Eu ainda sinto faíscas de adrenalina correndo pelo meu corpo. Não acredito que fui capaz de avançar sobre Aline, na verdade Allyson, daquela maneira. Mas quando eu a ouvi do banheiro relatando orgulhosamente tudo o que tinha feito contra nós, perdi completamente a cabeça. Teria saído desnorteada e rasgado o rosto dela com minhas unhas, se Peter não tivesse silenciado meus lábios e segurado-me firmemente contra ele.
    Quando lembro que quase perdi meu bebê, que Benjamin está neste hospital e que por culpa daquela bruxa as duas pessoas mais importantes da minha vida tinham passado por um risco enorme ao fazerem o transplante, sinto algo muito próximo ao ódio.
    Tudo isso poderia ter sido evitado, se a maldita mulher não tivesse cruzado nossas vidas. Eu nunca conseguiria perdoar o que ela fez. Foi cruel, covarde e desumano. Ela é um monstro odioso e sem coração. Eu quis matá-la. Não me importou que já estivesse ferida, e que provavelmente ficará deformada, ainda assim, o castigo seria muito pouco. Queria que ela derramasse todas as lágrimas que verti ao ver meu bebê sofrer e por tudo o que Adam perdeu da vida dele.
    Certamente, não é bom que eu nutra em mim sentimentos tão ruins. Mas é recente demais para que eu possa esquecer. Eu sei que o tempo curará todas as feridas abertas. O amor, o carinho e apoio de todos que amo, farão desses momentos apenas uma amarga lembrança, como um pesadelo ruim. E isso é tudo o que importa no momento: ser feliz com aqueles que eu amo. É nisso que eu tenho que me dedicar agora.
    — Oi, leoazinha — Adam pisca os cílios algumas vezes, até seus olhos conseguirem focar em mim — Me lembre de nunca a deixar zangada.
    — É só não mexerem com quem eu amo — defendo-me — Como você se sente, querido?
    Levo a mão dele, que o tempo todo estivera presa em minhas mãos, até os meus lábios. Meu coração finalmente se acalmou ao vê-lo abrir os olhos, e eu mergulho na profundidade do seu olhar.
    — Com você ao meu lado, muito bem — seu polegar alisa minha bochecha, e só agora percebo meu rosto úmido — Você foi muito corajosa, mas nunca mais faça isso de novo. Nunca mais se coloque em risco, nem mesmo por um blefe.
    Acho melhor não dizer a ele que não tinha blefado. Estive mesmo disposta a afastar Allyson de perto dele, mesmo que minha vida corresse risco. Claro que eu pensei nessa nova vida crescendo dentro de mim quando fiz a proposta. De alguma forma, eu encontraria um jeito de escapar e manter nosso filho em segurança.
    — Eu prometo — estou sendo sincera. Até porque, espero nunca mais precisar de um ato como esse.
    Nada mais de desentendimentos, pessoas ruins querendo o nosso mal, intrigas e conspirações. O último inimigo havia caído.
    — Prometo que serei totalmente e completamente obediente, meu senhor — meu olhar malicioso diz exatamente o contrário.
      Ele ri. O som mais perfeito e encantador do mundo.
    — E o quanto obediente você pretende ser? — ele afasta o lençol, me convidado para deitar ao seu lado.
    Olho para a porta ligeiramente. A próxima ronda médica seria em uma hora, mais ou menos. E nós já levamos broncas o suficiente, devido aos comportamentos atrevidos e nada discretos que ele tem.
    — Prometo não te agarrar, não te abraçar e não fazer nada inapropriado até chegarmos em casa.
    Deito de lado, buscando colocar o máximo de distância entre nós dois.
    — E se eu mandar fazer exatamente o contrário? — ele arqueia as sobrancelhas, fazendo careta. Era para ser sexy, mas é extremamente cômico.
    — Comporte-se, senhor Crighton, está todo remendado, caso não se lembre —digo a ele, sorrindo — E eu prometi obediência, não falei que era com você.
    Adam me puxa para mais perto, até nossos rostos praticamente se tocarem. Seu hálito morno tocando minha boca, fazendo-me desejar serem seus lábios ali. A mão cravada em minha cintura torna meus pensamentos nada menos que indecorosos.
    — Ordens nem sempre foram feitas para serem cumpridas...
    Ele me beija. Suave e carinhosamente. Ficamos assim, perdidos no tempo e espaço. Algo que sempre sentimos quando nós estamos juntos.

    ****

    Com meus garotos de volta a casa, seguros e recuperando-se bem, eu pude relaxar e baixar a guarda. Benjamin havia se adaptado bem ao transplante, não houve, até o momento, nenhum indício ou ameaça de rejeição ao fígado transplantado.   A cada dia ele está mais lindo e forte, espantosamente mais parecido com o pai. Com seis meses, a primeira palavra dele foi papa. E eu posso dizer que há, nessa casa, uma pessoa insuportavelmente orgulhosa dele.  Não que eu tenha ciúmes, afinal, eu só passei dias, horas e semanas treinando-o para que falasse mamãe, mas não; Benjamin simplesmente gritou papa a plenos pulmões ao ver Adam chegar com um enorme urso marrom. Homens são criaturas visuais e interesseiras. Corruptíveis. Pois eles que se fortalecessem. Minha garotinha e eu faremos da vida dos dois um verdadeiro martírio.
    — Não vá me trair também, Amy — acaricio a pequena ondinha em meu ventre — Mamãe precisa de ajuda.
    Estou com quatorze semanas de gestação, e estamos esperando a chegada de uma menina. Nossa pequena Amy — significa amada. Adam que escolheu o nome, antes mesmo da primeira ultrassonografia. Não haveria nome mais apropriado que esse. Já amamos muito, e esperamos ansiosamente para pegá-la nos braços e conhecer o seu rostinho.
    Seria parecida comigo ou seria parecida com ele, como o Benjamin? Adam afirma que será parecida comigo.
    — Uma menina, com a minha cara, sofreria bullying na escola.
    Ele havia brincado em uma das várias noites que passamos imaginando como Amy seria. Obviamente, uma versão feminina dele deixaria muitos corações masculinos arrasados pelo caminho.
    — Ei, Cinderela, acorda! — Juliene estala os dedos em frente ao meu rosto — Acha que o vestido ficou bom?
    Olho para o espelho à minha frente, analisando o vestido de noiva em meu corpo. Diferente do vestido que a Sra. Wade tinha escolhido para mim, esse é mais curvilíneo e discreto, e a calda abre a partir dos joelhos.
    — Por que estou provando o vestido agora, se vou ter que ajustá-lo quando a bebê nascer?
    Adiamos nosso casamento por causa do transplante, depois para acompanharmos com calma a recuperação do nosso filho, e acabei por optar em realizar a cerimônia quando Amy nascer. Sinceramente, é apenas um ritual que Adam faz mais questão do que eu.
    — Estamos apenas experimentando — ela me ajuda a descer depois que a costureira faz os retoques finais — Ainda temos o ensaio fotográfico para fazer. Sabe que eu quero que saia tudo perfeito.
    Juliene anda tão obcecada com os preparativos nos dois últimos dias, que até parece que o casamento seria dela. Bem, até agora foi divertido ter algumas horas no Spa, recebendo massagem, fazendo limpeza de pele e cabelo. Mas o dia começa a ficar cansativo. Apesar dessa gravidez ser muito mais tranquila, dos enjoos matinais praticamente terem desaparecido e não me sentir como se fosse morrer antes mesmo de levantar da cama, tenho andado muito mais preguiçosa e sonolenta.
     — Quero ir para casa — imploro a ela — Temos, no mínimo, sete meses para pensarmos em tudo.
     — Não seja estraga-prazeres. Hoje é sábado, e me prometeu um dia só de garotas.
    Eu realmente havia prometido ter um dia agradável com ela. Já nem me lembro quanto tempo não temos momentos assim, só nós duas.
     — Tudo bem, vamos lá tirar as fotos — gemo, vencida — E eu que pensei que seria só compras no shopping e cinema...

    ****
    Quando ela me disse um pequeno ensaio fotográfico, imaginei que seria ali mesmo no spa, e não que eu seria conduzida para sei lá onde, muito menos que um helicóptero estaria nos esperando.
    — O que está acontecendo, Jenny?  — pergunto à sorridente mulher próxima à porta.
     — É o meu presente de casamento — ela grita, me arrastando para dentro do helicóptero, que começa a ronronar, pronto a alçar voo.
    Vestida de noiva, com duas malucas ao meu lado, já começo a achar toda essa situação muito estranha.
     — Para onde estamos indo?
     — Campo!
    — Praia!
    As duas respondem ao mesmo tempo e desviam o olhar para longe de mim. Nitidamente elas escondem algo. E analisando toda a situação, não é preciso ser um grande gênio para eu desconfiar do que seja, embora eu tenha demorado um pouco para juntar todas as peças.
     — Ok. Podem ir falando — peço através do microfone anexo ao headset em nossas cabeças — O que Adam aprontou dessa vez?
     — Não podemos dizer — Jenny faz um sinal, selando a boca, e Juliene finge olhar através da janela — Estamos proibidas.
    Eu poderia chorar, espernear e implorar — delas eu não receberia nenhuma informação. Essas pequenas traidoras estão totalmente fechadas com Adam para me enlouquecer.
    — Isso é sequestro! — digo a elas, agora com um gigantesco sorriso no rosto — Repito: sequestro! Sabem disso.
     — Não. É um casamento — Juliene tapa os lábios, assim que se denuncia — Ai, merda.
    Um casamento.
    O meu casamento.
    Quando Adam deixaria de me surpreender?
    — E onde está o buquê?
    As duas entreolham-se, rindo.
     — Paige.
    Tudo faz sentido agora. Não haveria pessoa melhor para ajudá-lo nessa loucura que Paige. Comparando com o pedido de casamento, com certeza não seria uma singela cerimônia em uma capelinha qualquer da cidade. Paige deve ter idealizado algo grande. Eu tenho as melhores amigas que alguém almejaria ter.
     — Eu amo vocês — estendo as mãos a elas — Obrigada, por tudo.
    Do helicóptero, para a limusine branca. Estarrecida, vou reconhecendo a cidade por onde circulamos. Edgartown, onde passei boa parte da minha vida, deixei para trás recordações dolorosas e havia fugido em busca de paz e felicidade.
     — O que estamos fazendo aqui? — pergunto quando o carro estaciona em frente à igreja.
    A mesma igreja que Maxwell havia me abandonado, fazendo de mim a chacota de todos. Eu havia sido humilhada publicamente, e ainda machuca saber o quanto as pessoas podem ser mesquinhas e más.
     — Começando uma nova história — diz Jenny, antes de sair do carro, seguida por Juliene.
    Meu coração é um solo de bateria. Lembranças do passado e presente misturam-se em minha cabeça. Não posso casar aqui. Enfrentar todas essas pessoas novamente.
    — Eu não posso! — encolho-me no carro e fecho meus olhos, tentando controlar minha respiração acelerada — Não posso fazer isso...
    Sinto o banco afundar ao meu lado. Certamente é Jenny tentando me convencer a sair e enfrentar todo mundo. Não sei se consigo ser tão corajosa como esperam.
    — Você pode, querida — minha mão é acolhida por outras, e ao abrir os olhos, deparo-me com meu pai — Lembra da última vez que estivemos aqui?
    Como poderia esquecer? Foi a partir daquele momento que minha vida tomou outro rumo.
    Penso no que teria acontecido se tivesse ficado em Edgartown. Teria a mesma vida pacata e vazia? Mas eu teria sido feliz? Teria me descoberto como pessoa e a mulher que sou hoje? Ou continuaria a ser a garota que dizia sim a todos, bem diferente da que agora sabe dizer o que quer?  E, acima de tudo, teria me apaixonado da mesma maneira que me apaixonei por Adam?
    Então tudo isso não faz sentido. Eu imaginei um casamento simples, com família e amigos. No jardim de casa, talvez. Não com centenas de pessoas que realmente não me conhecem.
    — Eu era um homem diferente — meu pai continua. O carinho em minha mão tem o objetivo de me acalmar, e confesso que vai surtindo efeito — Você era apenas uma menina assustada. Desculpe por fazer daquele dia ainda mais difícil.
     — Pai... — decidimos riscar o passado, deixando mágoas e acusações onde deveriam estar: enterradas.
    — Se tornou uma linda mulher. Já é uma mãe incrível, e tenho certeza que será uma esposa maravilhosa — diz ele, sua voz carregada de emoção traz as minhas emoções à tona — Aquele homem te ama, minha filha. Ele faria qualquer coisa por você. Eu não poderia ter desejado um homem melhor para cuidar do meu bem mais precioso. Então você consegue, sim. Nós mudamos. Você mudou. Nos tornamos pessoas melhores. É hora de toda essa cidade ver isso. Como é forte e feliz, e o quanto eu me sinto orgulhoso de quem você se tornou.
     — Ah, pai! — abraço-o forte — Eu te amo, papai.
    Dizem que o casamento é uma despedida entre pais e filhos; para mim, é como se fosse nosso reencontro. Há alguns meses, eu nem sonhava sequer vê-lo de novo. Hoje terei meus pais em meu casamento, como também tive com ele uma das conversas mais importantes de nossas vidas.
     — Você me conduz?
     — Claro que sim — seu sorriso brioso dizendo muito mais que suas palavras.
    Quando desço do carro, Paige me entrega o buquê — lírios brancos, lindos. Ela ajeita a cauda do vestido e a tiara em minha cabeça. Pergunto se a maquiagem não havia borrado, e ela me diz que continuo linda.
     — Vamos? —  meu pai se coloca ao meu lado, dando seu braço como apoio.
    Ele me guia da escada até a entrada de porta dupla. A marcha nupcial começa a tocar.  Lauren e Lily, em seus vestidos branco com fitas prateadas na cintura, sorriem para mim e assumem seu posto, jogando as pétalas de rosa no cesto pelo tapete vermelho. 
    Da porta, noto a igreja lotada. Todos olham em minha direção. Reconheço alguns rostos e outros me parecem novos. No altar, todos os nossos amigos e minha família.
    Todas as pessoas que eu esperava ver, menos Adam.
    O pânico querendo tomar meu coração não é pelo medo de que ele tivesse feito o mesmo que Max. Mas sim, de que algo ruim tivesse acontecido para retardar esse momento.
    — James? — a voz de Adam ecoa atrás de nós — Deixa comigo. Eu assumo daqui.
    Viro rapidamente e me deparo com ele. O sorriso mais lindo que já presenciei em alguém. Benjamin é uma cópia dele em seus braços.
    Meu amor e a minha vida — juntos. Ninguém mais no mundo é capaz de me fazer tão feliz quanto eles. Ninguém jamais os amaria tanto quanto eu.
     — Não deveria me espantar com isso —  meu pai coça a cabeça e caminha pela nave em direção ao altar.
    Encaro Adam, obrigando minhas lágrimas a ficarem onde estão. Não quero perder um detalhe do seu rosto lindo e olhos que transbordam amor.
     — Nós entraremos juntos. Como o Neil e Jenny fizeram — ele estende a mão para mim — Não apenas hoje, nessa igreja, mas pela vida inteira. Caminharemos sempre lado a lado.
    Já não consigo mais controlar as lágrimas deslizando pelos meus olhos. Chorando e sorrindo, caminho com eles. Adam, Benjamin e Amy em meu ventre.  Se eu sou forte, é porque são eles que me fazem mais forte. Se eu sou feliz, é porque são eles a razão para levantar e sorrir todos os dias. E se havia alguém aqui, hoje, em dúvida, agora terá a certeza de como somos felizes.
    No entanto, para cada rosto que eu olhava, eu só via sorrisos sinceros. Assim como foram os nossos votos. Prometemos amar, respeitar e cuidar um do outro até nosso último suspiro de vida. Não houve poemas ou palavras ensaiadas. Dissemos o que nossos corações queriam dizer. Haverá dias ruins e complicados, assim é a vida, mas temos a plena certeza de que o nosso amor é mais forte que tudo.

    ****

    A festa foi organizada no salão da igreja. A decoração é elegante e simples. Lírios com fitas douradas estão por todos os lados. Todos se sentem à vontade — comem, dançam, bebem e riem muito.
    Com Juliene e Liam de babás, temos a noite toda para nós. Adam e eu já estamos, sei lá, dançando a vigésima música. Estou embriagada, mesmo sem ter ingerido uma única gota de álcool; flutuando pelo salão, totalmente entregue aos braços dele. 
    — Será que eu posso? — afasto a cabeça do peito de Adam e encaro Max, parado em frente a nós dois, sua mão estendida em minha direção, solicitando uma dança.
    Olho rapidamente para Adam, tentando pensar em alguma forma de mantê-lo calmo. Mas, para minha surpresa, ele sorri de forma serena.
    — Lily me cobrou uma dança — ele me entrega a Max e vai em direção à menina correndo entre as mesas.
    Entre atônita e confusa, deixo Max me conduzir pela dança. Definidamente, ele é a última pessoa que esperaria ver em nossa festa de casamento.
    — Eu não sou um fantasma — ele ri ao analisar meu rosto franzido — E nem o monstro do armário, também.
    O que ele faz aqui e porque Adam não surtou com a presença dele em nossa festa?
    — Respondendo todas as perguntas aqui — ele toca a pequena ruga em minha testa, e eu a desfaço — Eu praticamente implorei ao seu marido que permitisse que a visse por alguns minutos.
    Olha para Adam e Lily. Mesmo conversando e dançando com a garotinha, seus olhos estão pregados em mim. Ele sorri, eu sorrio de volta. Meu coração suspira apenas em olhar para ele.
    — Eu já fiz muitas coisas erradas em minha vida, Penelope. Deixá-la aquele dia na igreja, no entanto, foi o ato mais digno que fiz — diz Max, tendo a minha atenção de volta para ele — Eu nunca teria esse brilho em seus olhos, sempre que olha para ele. Mas eu me arrependo por ter mentido e usado da sua boa-fé. De ter magoado você em algum momento e permitir que outras pessoas a magoassem. Eu não fui um homem bom, mas eu quero aprender a ser.
    A diferença de estar no caminho errado e ser uma pessoa ruim é essa. Pessoas más como Nathan e Allyson não sentem remorso.
    — Algumas pessoas são ruins porque se perdem na vida — digo a ele. Acredito sinceramente nessas palavras — As boas encontram o caminho de casa.
    — Talvez um dia os meus pecados possam ser perdoados e eu seja digno do amor de uma mulher tão boa como você — ele interrompe a dança, segurando meu queixo — Quem sabe eu veja esse mesmo brilho nos olhos de alguém, por mim.
    Eu desejo que ele seja feliz. Que faça alguma mulher por aí, precisando de amor, feliz.
    — Wade, eu disse só uma dança — não vi quando Adam se aproximou, mas agora ele mantém firmemente a mão em minha cintura — Não me faça me arrepender.
    — Eu acho que foi meia dança, mas não quero irritar você. Sei muito bem o que acontece, já basta o grandão ali de cara feia — ele aponta Peter e seu olhar mortal para ele — E... Crighton. Seja feliz. Ela já é.
    Outra música inicia, mas ao invés de dançarmos como imaginei, Adam nos conduz até uma cadeira em um canto mais isolado do salão.
    — Está feliz, princesa? — pergunta, sentando-me em seu colo.
    Charmosa, princesa, minha querida, meu amor. Amo todas as formas que ele me chama. Ele é o meu príncipe, tenho o meu lindo baile e, o melhor de tudo, não acaba à meia-noite. Meu conto de fadas está apenas começando. 
    — Nunca fui tão feliz, príncipe — respondo, colando meus lábios nos seus.
    Lauren e Lily haviam iniciado essa brincadeira de príncipe e princesa. Ninguém nunca esteve tão certo em relação a nós dois.
    — Sra. Crighton — ele ergue minha mão e beija a aliança — Minha?
    — Sempre sua — pego a mão dele, retribuindo o gesto carinhoso — Sr. Crighton. Meu?
    — Sempre e eternamente seu.
    Selamos a promessa com um beijo capaz de fazer todo o resto desaparecer. Estamos em uma esfera só nossa. Em uma bolha reluzente chamada amor

    18 comentários :

    1. Lindo Amei...Como sempre você é Maravilhosa Elizabeth..

      ResponderExcluir
    2. Lindo, perfeito, acho que o livro do Adam vai ser mais ligth do que do Adam e do Neil

      ResponderExcluir
    3. Linda estória Parabéns que bom que vv vai começa a postar de novo aquela estória parada eu gostei muito dela

      ResponderExcluir
    4. Haaa...chorei e gritei de felicidade...meu casal lindo finalmente teve seu felizes para sempre...finalmente você vai voltar a postar o preço de um amor esperando ansiosamente

      ResponderExcluir
    5. Lindo demais! Obrigada e parabéns 💙

      ResponderExcluir
    6. Aaaaaaaaah *-* *-*
      Cadê as minhas palavras para a conclusão ? Estou sem ... Beth você sabe como acompanho todos seus livros, venho te perseguindo desde o wattpad com os meus comentários super normais e educativos para maiores Kkkkkkkkkkk' Como sempre, você arrasou com mais um livro e isso me faz sempre querer mais e mais <3 Adam e Penélope deixaram mais uma marca em mim <3 Parabéns Diva, você merece tudo de bom, muito sucesso <3 VAMOS QUEM VAMOS COM O PROXIMO CASAL <3

      ResponderExcluir
    7. Queria ler os extras, sobre a lua de mel, como eu faço?

      ResponderExcluir
    8. Deeeeeeeeuuuuuussssss......que linduuuuuu!!!!!
      parabéns pelo talento Beth!
      que Deus continue te agraciando c essa maneira de entreter o leitor!!
      tô aqui aos prantos c esse final
      aguardo ansiosa pelo físico!!!

      ResponderExcluir
    9. Passei meses para ler a última linha desse livro e agora sinto que falta algo. Falta mais uma linha, mais uma noite de amor, mais desencontros, mais encontros. Não estava preparada para o fim, não quero o fim. Beth mais uma vez vc surpreendeu, amei a série desde o início e espero que não tenha fim. Que venham os próximos livros. Parabéns!!!

      ResponderExcluir
    10. Parabéns, o final foi lindo, só não estava preparada para o final, vou sentir saudades desse casal. Então por favor não demorou rã para termos o Liam e Peter. Bjsss

      ResponderExcluir
    11. Caramba o que dizer dessa estoria uau nossa sem palavras, adoro cada dia mais e que bom que temos você para tornar nossos dias mais felizes,muito obrigada e estou ansiosa por ter Adam e Penélope aqui juntos dos outros livros.
      um zilhão de parabéns

      ResponderExcluir
    12. Eu comprei o ebook na Amazon e lá tem a lua de mel e o epílogo... Vale a pena gente!!! ;)

      ResponderExcluir
    13. Eu comprei o ebook na Amazon e lá tem a lua de mel e o epílogo... Vale a pena gente!!! ;)

      ResponderExcluir
    14. Ainm...
      Foi demais, perfeito, maravilhoso, incrível...
      Adoooro
      Parabéns pelo seu trabalho
      ❤��

      ResponderExcluir
    15. Amei muito lindo,final digno do casal eles merecem ser felizes

      ResponderExcluir

    Obrigada por seu comentário. Volte sempre!

    O Preço de um amor

    Book trailer - Seduzida

    BookTrailer