• Home
  • |
  • Sobre a Autora
  • |
  • Livros
  • |
  • Vídeos
  • |
  • Agenda
  • |
  • Parceiros
  • |
  • Contato
  • Além do Amor - Capitulo 26 - Bônus




    Aline


    Eu nunca trabalhei tanto em minha vida. Nem mesmo durante os quase três anos que estou na DET.   De alguma forma eu sempre consegui enrolar a chata da Charlote e o insuportável do meu chefe. Agora Penelope me cobre.
    Odeio meu trabalho, odeio essa empresa e todas as pessoas que trabalham nela. Por todo esse tempo eu tive que forjar sorrisinhos e cumprimentos educados. Tudo em em nome do plano de destruir o Crighton e seus amigos malditos. Na verdade, seus amigos pouco me importam, meu objetivo é e sempre foi o Adam.
    Não há ninguém no mundo que eu odeie tanto quanto ele. Aquele desgraçado arruinou minha família, levou meus pais a morte e eu almejo para ele o mesmo destino.
    Desejo sua ruína. Como ele foi o responsável pela minha. Por causa dele meu pai perdeu todos os nossos bens, foi preso e sucumbiu a um infarto naquela cela imunda.
    Minha mãe não aguentou a dor de perder o marido e seu lar logo depois.   Resolveu seus problemas com um vidro de comprimidos. Eu acabei sozinha, perdida, sem minha casa , na qual cresci e fui imensamente feliz. Até meu noivo havia me virado as costas.
    Dean jamais poderia unir-se a uma mulher com um passado manchado como o meu. Adam tirou tudo o que eu tinha — minha família, fé e a minha dignidade. Eu tinha que dar o troco de alguma forma.
    E ajuda para conseguir isso surgiu de onde eu menos imaginava.
    Lembro-me de quando nos vimos pela primeira vez, como se fosse ontem.
    Chovia muito aquele dia. Eu estava sentada, encolhida na escada, dentro da minha casa vazia, observando os trovões, quando aqueles homens horrendos apareceram. Era o meu vigésimo primeiro aniversário e não sabia se teria outros. Naquele dia eu arquitetava várias maneiras de dar fim a minha vida, como fizera minha mãe, no dia anterior.
       — O que faz aqui garota? — um deles pergunta, encarando-me de forma nada amistosa.
    Um homem enorme, tanto em tamanho como em altura.
    — Está chovendo muito lá fora —  eu não quis que minha voz tivesse saído tão trêmula e nem quis demonstrar a fraqueza que me abalava — Eu não tenho para onde ir. Deixa eu passar essa noite aqui, senhor. Prometo que amanhã eu irei embora.
    — Acorda moça, o conto de fadas acabou — o segundo homem, da minha altura, mas bem musculoso, cravou seus dedos nojentos em meu braço e me fez levantar — A casa já foi vendida. Suma daqui de uma vez. Em outro momento eu teria te oferecido minha cama, mas ela não está a altura de uma riquinha esnobe como você.
     — Riquinha? — o grandalhão me encarou com uma risada debochada — Ela terá sorte se um mendigo quiser dividir seu jornal com ela essa noite. E ouvi dizer que será uma das noites mais frias do ano.
    Naquele momento eu senti o que o gostinho da vingança pode fazer a uma pessoa. Aqueles homens estavam se vingando de mim, por ter sido rude com eles há alguns dias. O que eu poderia fazer? Estavam roubando minha casa.  O único lar que conheci. Todas as lembranças de felicidade estavam ali.
     — Não volte mais aqui ou chamaremos a polícia — ele urrou.
    Com toda brutalidade fui jogada na rua. A chuva torrencial em minha cabeça era o menor dos meus problemas. Caminhei lentamente pela rua longa, não havia lugar para ir.
    Demorei a perceber o carro vermelho seguindo-me.
    Claro que inicialmente, tive receio de quem estava dentro do carro. Já começava a escurecer quando ele surgiu ao meu lado. A possibilidade de que fosse um maníaco era gigante. Se ele me arrastasse para dentro do veículo, me violentasse e jogasse meu corpo sem vida em uma vala qualquer, ninguém notaria minha ausência. Não há ninguém mais que se importe comigo. Mas pensando bem, talvez aquele fosse o fim que eu pedi a Deus, morrer dessa forma não seria menos humilhante que viver na obscuridade.
    Então quando a porta foi aberta eu entrei.
    — Olá, Allyson.
    E a pessoa que encontrei sorrindo para mim naquele carro, mudou minha vida e destino completamente.
     — Quem é você e como sabe meu nome?
    Deixo esses pensamentos de lado e procuro a chave do loft  na bolsa. Odeio esse apartamento como detesto a DET. Em comparação com a mansão na qual cresci, isso aqui é ridículo. Um cubículo nojento.
    — Droga!  — esbravejo quando deixo a chave cair no chão.
    Só em pensar em ter que abaixar, faz meus músculos protestarem. Tive que correr o dia todo para encontrar pessoas que me ajudassem nas minhas funções. Todos homens, claro, já que as mulheres pouco fazem umas pelas outras, nem adiantou eu bancar a chefe substituta, são todas umas vadias frustradas. O resultado disso é que ficarei devendo favores a muitos assistentes em vários departamentos. Isso quer dizer cama e sexo. Eu não me importo, já fiz isso antes.
    — Está atrasada, Allyson. Sabe que eu odeio atrasos.
    Salto para trás quando deparo-me com a última pessoa que esperava ver.
     — Não me lembro de termos agendado nada.
    Inferno. Péssima hora para minha voz assustada de garotinha perdida surgir.
     — Você chega todos os dias às seis. São seis e trinta e cinco.
    Jogo minha bolsa em cima da mesinha e sigo para uma poltrona. Tiro meus sapatos enquanto penso no que vou responder.
    — Isso é culpa da Penelope e sua repentina viagem de lua de mel. Fui obrigada a fazer todo o trabalho dela.
    O olhar enfadado e pouco convencido com minha justificativa me irrita, mas mantenho a calma. Eles controlam todos os meus passos, sabem tudo da minha vida, me conhecem do avesso. São pessoas perigosas, que não desejo de forma alguma aborrecer.
    Se tenho um teto hoje foi graças a eles. Se tenho alguma chance de dar o troco em Adam, é graças a eles, então, não é o momento ainda de ter rebeldia.
    — Penelope. Ah, doce Penelope. Você já deveria ter resolvido isso. Nada do que combinamos seguiu em frente. Não conquistou o Crigton, como agora temos mais uma para tirar do nosso caminho.
    O plano era — infiltrar-me na DET, conquistar o Adam e acabar com ele de uma vez por todas. Meu prêmio, todo o dinheiro dele, que herdaria como a viúva arrasada.
    Passei um ano investindo nele. Saí com Peter em busca de algumas informações, mas aquele não me ajudou em quase nada. Essa parte até que foi boa. O homem sabe como enlouquecer uma mulher na cama e eu até gosto dele.
      Além disso, só piorou a minha situação, porque o fato de ter dormido com um dos amigos do Adam, surpreendentemente me afastou ainda mais dele. O que é no mínimo irônico, já que eu sei que, algumas vezes eles transaram com a mesma mulher, até no mesmo dia e quarto.
    Eu fui tola ao acreditar que com um pouco mais de insistência e paciência eu conseguiria chegar em meu objetivo. Eu só precisava de uma oportunidade. Tinha decidido que seria na festa da DET de fim de ano passado.
    Daniel, o idiota que finge ser meu irmão, até havia conseguido algo para eu colocar na bebida dele, se fosse necessário.
    Passaríamos uma noite juntos e se não fosse suficiente, o velho truque da gravidez iria prendê-lo a mim. O trauma que ele carregava por um filho morto, que nem era dele, o teria convencido a se casar comigo.
    Tudo estava meticulosamente planejado, se Penelope não tivesse surgido do nada e arruinado meus planos.
    Odiei vê-los naquela cidade. Sendo felizes. A declaração estúpida que ele fez a ela. Eu quis pegar aquele microfone e dizer a todos o grande mentiroso que ele é. Mandei as fotos, envie as mensagens, fiz tudo o que me instruíam, mas eles sempre voltam. Malditos!
    Fiz de tudo para atrapalhar o relacionamento deles. Primeiro usando Grace. Colocar na cabeça dela que teria alguma chance foi fácil, essa era apaixonada por ele como todas as tolas que cruzaram seu caminho. Sugerir que ela contribuísse com Celeste para afastar todas as outras me ajudou a derrubar qualquer adversária a caminho. A velha era obcecada pela filha morta.
    Mas isso não funcionou com Penelope. O jeito foi a tentativa de atropelamento. Afortunadamente caiu nas costas da velha louca, ninguém jamais pensaria em mim.  Teria um fim maravilhoso se Penelope tivesse morrido aquele dia.
    Mas eu estive tão nervosa, que não calculei muito bem a velocidade e o impacto do carro sobre ela.
    A infeliz sobreviveu.
    A única parte boa dessa tentativa, foi observar de longe, como Adam sofreu ao imaginar perde-la. Eu senti nos meus lábios o primeiro gostinho da vingança. É doce, muito doce e eu amei.
    Depois veio Maxwell. Me aproximei dele e fiz de tudo para incentivá-lo em tê-la de volta. Claro, ficar amiga dele e dar todas as dicas para que ele a conquistasse outra vez, era um bom plano.  Ele até comprou uma ilha com iate no nome dela. Aquele era tão apaixonado quanto imbecil.
    Tudo o que fiz, todos os riscos não valeram de nada. Roubar a chave do apartamento dela. Escrever aquelas coisas horríveis. Diverti-me muito destruindo seu  apartamento. Foi como lavar minha alma. Acreditei que isso a fizesse fugir assustada.
    Não aconteceu.
    Quando pensei que havia me livrado dela, ela voltou.
    Então, precisámos tomar medidas extremas. O que aconteceu no cemitério não foi algo meu. Meus bens feitores são bem mais macabros, mas eu me não posso negar que me deliciei, vendo-o escondida. O desespero em sua alma. Lembrei da promessa que fiz ao meu pai em um cemitério como esse. Vingar sua morte.
    Mas essa viagem repentina promete estragar tudo de novo. Preciso de mais tempo para envenená-la como tenho feito. Tentei dificultar a relação deles nos dias que Adam trabalhou na empresa o máximo que pude. Nunca os deixando sozinhos. Soltando os encontros com Evan acreditando que despertaria a raiva dele, mas foi exatamente o oposto. O ciúme o fez ficar ainda mais determinado.
    O que há nessa mulher que o faz reagir tão irracionalmente. Nunca o vi assim antes. E o que vejo é que ele está decidido em tê-la de volta. Devem estar a essas alturas suando na cama.
    Desgraçados.
    — Não tenho culpa se cada tentativa que temos de separá-los acabamos unindo-os ainda mais — resmungo sem muita paciência — Por que não o matamos de uma vez e acabamos logo com isso? Eu só quero que ele pague o que ele fez.
    O dinheiro que disseram que meu pai roubou, nunca foi localizado, o que para mim só prova a afirmação que ele era mesmo inocente. Meu pai havia se encontrado com Adam antes de ser preso, dois dias antes de morrer. Ele havia traído sua confiança, denunciando-o quando disse que o ajudaria.
    — Qual a graça da vingança, se não podemos degustar do sofrimento do nosso inimigo? — O sorriso perverso me causa certa apreensão, devo reconhecer — Pensei que seu objetivo fosse fazer Adam pagar por tudo o que te fez. Temos uma ideia do que fazer para afastar a loirinha definitivamente. E essa é sua última chance. Lembra de onde você estava antes de ter ajuda e onde pode chegar se tiver sucesso.
    Lembrar de onde estava, do que eu fiz e para onde irei.
    Uma vida de luxo em que cresci ou a sarjeta que evitei por tanto tempo?
    Escuto a voz ao longe enquanto medito sobre o meu destino incerto.
    — Procure não fazer nenhuma besteira enquanto isso. Verei como as coisas andam em Dubai. Garantiu que eu estaria lá, não é?
    Apenas meneio a cabeça, não sei sobre o que concordei, já estou presa em meu próprio mundo. Ele não é bonito.
    — Eu voltarei em breve com novas instruções — ouço antes do leve bater de porta.
    O lado ruim de vender sua alma ao diabo, é que cedo ou tarde ele vem atrás de você, cobrando a dívida.

    E o meu saldo é muito grande. 

    26 comentários :

    1. Eu imaginava que era ela, só não conseguia entender o motivo, agora já sei.
      E com certeza quem está ajudando ela só pode ser o diabo do Nathan, nunca odiei tanto um personagem como ele....../ DIRCE AMERICO

      ResponderExcluir
    2. Sabia q era a vaca da aline. Ela deve ta pensando q e o neil,mas e o gemeomau

      ResponderExcluir
    3. A palavra que me descreve agora eh CHOCADA !!!

      ResponderExcluir
    4. Aí meu Deus.... Chocada com isso... Quem é?

      ResponderExcluir
    5. Gente tô passada,engomada e chocada...essa história tá incrível,suspense e ação,amoooo

      ResponderExcluir
    6. Gente tô passada,engomada e chocada...essa história tá incrível,suspense e ação,amoooo

      ResponderExcluir
    7. Sabia que era a Aline! A ligacao com o Nathan é que foi surpreendente! Parabens Elizabeth pela sua criatividade e a forma de entrelaçar as historias de todos os personagens ds serie. Adorando!

      ResponderExcluir
    8. OMG!!!!!! A Aline era uma das minhas suspeitas, e esse homem com certeza é o Nathan!!!!! Amei essa revelação Elizabeth =D

      ResponderExcluir
    9. Gzuizzzzzzzzz está Aline e mesmo uma cobra, mas será que o pai dela e mesmo inocente... E o cúmplice... Não sei quem é

      ResponderExcluir
    10. Vc não vai deixar a gente assim ne???
      Diz q não por favor.

      ResponderExcluir
    11. Primeiro pode ser Nathan com sua vingança, mas acredito que não seja ele! Segundo pode ser Evan Parker que tem uma rixa com Adam, mas se ele gosta de Pê como aparenta, talvez não seja ele,mas o ódio pode ser muito maior do que o sentimento que pode ser verdadeiro ou não! E por último com a ideia da volta dos que nunca se foram pode ser Cecília querendo vingança por conta de sua mente deturpada após o acidente! Devaneios à parte, adorando o livro!

      ResponderExcluir
    12. Curiosa para saber quem é!!!!!! Parker ou o irmão de Neil??????

      ResponderExcluir
    13. na minha opinião quem esta falando com ela é o conrad mas, quem esta armando tudo isso é o nathan

      ResponderExcluir
    14. Chocada aqui, nunca gostei dessa Aline, mas surpresa que ela fosse a serpente, a diaba em pessoa, não imaginava e desconfio quem está junto com ela nisso seja o Evan, ele odeia o Adam, morre de inveja, nossa que ódio dessa vadia, tomara que o Peter descubra que é realmente essa cobra e o seu comparsa.

      ResponderExcluir
    15. EU SABIAAAAAAAA!!!! Eu desconfiava, na festa do Peter me deixou mais certa, mas depois disseram que era o Max.....aiaiai Elizabeth, desse jeito meu coração não aguentará.

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. Tbm penso como vc. Desconfiava q havia uma terceira pessoa e depois da festa ns casa do Peter tive mais certeza. Ela ta sempre se intrometendo e jogando veneno em Penellope. Coitado do Adam! Ta difícil pra ele

        Excluir
    16. EU SABIAAAAAAAA!!!! Eu desconfiava, na festa do Peter me deixou mais certa, mas depois disseram que era o Max.....aiaiai Elizabeth, desse jeito meu coração não aguentará.

      ResponderExcluir
    17. Nossa nunca imaginei que fosse a Aline 😱😱😱

      ResponderExcluir
    18. Eu disse eu disse. Que era avibora da Aline ela sempre envenando a Penelope contra o Adam so ela tava no banheiro onde a penelope esqueceu o tel no balcao ela ouviu do encontro. Bruxa

      ResponderExcluir
    19. Nunca gostei dessa mulher.
      Ansiosa para conhecer a estória inteira.
      Andreza Viude

      ResponderExcluir
    20. Nossa estou passada com essa Aline....gente de onde saiu esse boneco vudu?

      ResponderExcluir

    Obrigada por seu comentário. Volte sempre!

    O Preço de um amor

    Book trailer - Seduzida

    BookTrailer