• Home
  • |
  • Sobre a Autora
  • |
  • Livros
  • |
  • Vídeos
  • |
  • Agenda
  • |
  • Parceiros
  • |
  • Contato
  • Além do Amor - Capitulo 4


    Like I'm Gonna Lose You
    Me encontrei sonhando em prata e ouro
    Como na cena de um filme que todo coração partido conhece
     Nós andávamos na luz da lua e você me puxou para perto
    Fez um segundo, você desapareceu e então eu estava sozinha
    Eu acordei chorando com você do meu lado
    Suspirei de alívio e percebi
    Não, o amanhã não nós é prometido

    Então eu vou te amar como se eu fosse te perder
    Eu vou te abraçar como se eu estivesse dizendo adeus
    Aonde quer que estejamos, não vou te considerar que te tenho pra sempre
    Pois nunca sabemos quando
    Quando ficaremos sem tempo
    Então eu vou te amar como se eu fosse te perder
    Num piscar de olhos, apenas em um sussurro de fumaça
    Você pode perder tudo, a verdade você nunca saberá
    Então eu vou te dar um beijo longo, amor, em qualquer oportunidade que eu tiver
    Eu vou fazer da maioria dos minutos amor sem arrependimento
    Vamos usar o tempo para dizer o que nós queremos
    Usar o que nós temos, antes que tudo se vá
    Pois, não, o amanhã não nós é prometido
    Então eu vou te amar como se eu fosse te perder
    Eu vou te abraçar como se eu estivesse dizendo adeus
    Aonde quer que estejamos, não vou te considerar que te tenho pra sempre
    Pois nunca sabemos quando
    Quando ficaremos sem tempo
    Capítulo 4


    Adam

    01 de janeiro 2013


    Desperto me sentindo desorientado. Minha cabeça lateja e tento entender onde estou. Levo alguns segundos para descobrir que é uma cama de hospital.
    Lembro do que aconteceu, das fotos que recebi quando estava seguindo para festa e depois de ter perdido o controle do carro.
    Penelope!
    Tento me levantar, mas a dor na minha perna é lancinante.
    — Está quebrada — Liam entra nesse momento e seu olhar para mim é furioso.
    — Penelope? — desejo informações sobre ela. Saber se está bem.
    — Ela está lá fora, angustiada por notícias suas — murmura ele antes de arrastar uma cadeira e sentar em frente a minha cama — Foi difícil tirá-la daqui.
    Graças a Deus, ela está bem e segura.
    Apoio a cabeça no travesseiro, fecho os meus olhos e faço uma breve prece em agradecimento.
    — Me diz que não fez isso? — indaga Liam me obrigando a abrir os olhos.
    — Fiz o quê? — encaro-o tentando desvendar o que ele diz.
    — Que não jogou o carro contra o poste — sibila ele, agora de pé — Em nome de Deus, me diga que não fez isso, Adam.
    — Claro que não! — encaro-o com surpresa — De onde onde tirou isso? Por que eu faria isso?
    — É o que todos estamos tentando entender.
    Respiro fundo. Ótimo, minha família acredita agora que eu seja um suicida. Talvez não tivessem superado tão bem o que houve no clube meses antes, como acreditei.
    — Foi um acidente, Liam — murmuro.
    — Como você vai de um futuro pedido de casamento para uma cama hospitalar? — indaga ele confuso.
    — Lembra das ameaças que eu vinha sofrendo?
    Ele me olha sério e volta sentar-se.
    — Celeste — murmura ele — Mas já resolvemos isso.
    — Infelizmente, não — digo a ele  me acomodando melhor na cama — Pegaram meu celular no carro?
    — Que importância isso tem agora? — Liam parece confuso.
     — Preciso te mostrar uma coisa. É importante.
    — Certo, eu vou buscar.
    — Antes de ir, me empresta o seu telefone — peço a ele antes que alcance a porta.
    Pego o aparelho e procuro o nome  na lista.
     — Liam?
    Ele para mantendo a porta entreaberta.
     — Não deixe que Penelope entre ainda.
     Ele apenas balança a cabeça, visivelmente contrariado.
    Eu sei que minha pequena deve estar angustiada por notícias minha, mas eu preciso resolver um assunto importante antes. Saber o quanto daquelas fotos são reais. Se as minhas suspeitas forem verdadeiras, ela corre mais risco do que imaginei.
    Porra! Eu não quero voltar por esse caminho.
    — Alô?
      Peter?


    Dias atuais


    A sensação que eu tenho é que não é apenas uma porta entre nós. Há uma mensagem clara. Eu estou perdendo-a. Ao menos que eu faça algo para mudar isso.
    Eu gostaria de ir até ela e revelar de uma vez o que está acontecendo. Sei que a verdade é o único caminho que irá permitir que continuemos junto. Mas eu não posso. Não aqui, onde sei que estamos sendo vigiados.
    Eu quis fazer isso no hospital. Mas Penelope foi irredutível em não me ouvir, estava mais do que magoada, entendo a decepção em seu olhos.
     Agora entendo o motivo de sua fúria. Liam e sua boca grande. Ela esperava um pedido de casamento e outra vez eu citei o término da nossa relação quando ela havia sido clara que não passaria por essa dor novamente.
    Nos dias seguintes, ela também se recusou a me ouvir. Aproveitei o fato de estar imobilizado, devido a perna quebrada, para dar tempo para que se acalmasse. Até acreditei que a viagem que fez ao Texas para visitar a família a ajudasse a pensar melhor. Como sempre eu estive errado.
    Inconformado por ter amarras em volta de mim eu faço a única coisa que me é permitido, vejo-a através das câmeras.
    O que é mais uma tortura para mim. Vê-la encolhida em sua cama, sofrendo, mais do que isso, saber que cada lágrima rolando por seu rosto é destinado a mim.
    Eu queria fazer o mais honrado e deixar que ela siga com sua vida como ela tantas vezes me implorou. Até mesmo essa noite, quando um dos seguranças mostrou fotos de Penelope e o maldito do ex noivo, me fizeram ter uma reação nobre e não interferir, mas quando recebi a foto seguinte dele entrando  no prédio dela foi o bastante  para me desestruturar. O ciúme falou mais alto.
    Eu estava disposto a invadir o apartamento e arrancar aquele cretino de lá.
    Inicialmente meu pensamento era de que ela poderia ficar com qualquer outro, menos ele. Não o desgraçado que a fez sofrer abandonando-a na igreja.
    Mas quem eu quero enganar, qualquer homem, até mesmo Evan que eu considero um cara bacana ou qualquer outro desconhecido me faria ter a mesma reação.
    Meu amor não é um amor bonito. Aquele que se doa. Que procura a felicidade dela acima de tudo, ele é egoísta porque não aceito ninguém mais em sua vida que não seja eu.
    Então eu sou um grande canalha.
    Preciso de ar. Preciso de alguém que me tire desse redemoinho insano.

    ****

    — Você sempre tem que abrir a porta nu? — murmuro contrariado ao vê-lo sorrir sem o menor pudor — Precisa de doação de roupas?
    — Para o que estava fazendo, eu não preciso delas — murmura Peter dando espaço para que eu entre.
    Somente quando invado a sala que noto as duas garotas, também nuas, fazendo carícias uma na outra. Minha presença em vez de intimidá-las parece fazer com que se animem ainda mais.
     — Achou que eu fosse a moça da pizza de novo?
    Indico sua falta de traje ao atender a porta, recordando-o da última vez que o encontrei em uma de suas noites agitadas. Se bem que dessa vez ele se superou. Duas mulheres.
    A quem quero enganar, Peter é...
     Peter é o Peter.
    — Pensei que fosse a Ashley — diz ele dando as costas, indo em direção as garotas.
    — Outra? — o motivo do meu espanto, eu não sei. Em outro tempo ficaria feliz em me juntar a eles. Hoje me parece algo frio.
    — Eu não sei dizer não a um pedido tão doce — murmura ele com um sorriso cínico — Junta-se a nós ou posso terminar o que comecei?
    — Vou para sua sala de jogos — declino o convite.
    — Certo — murmura ele — Esqueci que agora é alguém de respeito.
    As mulheres riem e soltam gritinhos quando ele as beija.
     — Queridas, não se entristeçam tem homem suficiente para vocês.
    É a última coisa que ouço antes de bater à porta. Ou ele é muito bom ou muito arrogante. Arrisco dizer as duas coisas.
    Digo e repito, mal posso ver a hora que ele se apaixonará por alguém e toda essa pose de fodedor descer ladeira abaixo.
    Assim que entro, ignoro a mesa de bilhar e me acomodo no sofá em frente a TV. Por que eu havia ficado em vez de ir embora? É o que me pergunto ao olhar em volta da sala.
    Peter é um menino na realidade. O tipo de cara fortão que só é músculos. Dou uma verificada em seus CDs de games. Todos de guerra, policiais ou com extrema violência.
    Ligo a teve para me distrair com alguma coisa e abafar alguns sons vindo da sala.
    Será que as pessoas não podem fazer sexo sem barulho?
    Eu posso ter me tornado um novo homem, mas ainda sou um homem. Um homem preso a uma porra de abstinência sexual prestes a ficar maluco. A única vez que fiquei tanto tempo sem uma foda foi quando conheci a Penelope, e naquela época eu não sabia o quanto fazermos amor era bom, o quanto seu corpo me viciaria.
    Mesmo que eu fosse até a sala saciar meu corpo com alguma daquelas mulheres, não seria igual. É como um viciado em uma droga potente, nada inferior poderia me saciar. Seria como oferecer um bombom de licor a um alcoólatra.
    Como o jogo de baseboll não está surgindo o efeito que eu gostaria, mudo de canal. Afinal baseball é um dos esportes preferidos dela. Isso só me leva a lembranças doloridas. Como os dias que ficamos agarrados no sofá vendo algum jogo.
    O canal de desenho passa o maldito desenho da quadrilha maluca.
    — Droga!
    Sintonizo em um noticiário japonês. Pelo menos isso não me lembra a nada, a não ser o quanto Penelope ama comida japonesa e que frequentemente íamos a um restaurante próximo a sua casa.
    Inferno!
    Devo estar pagando por todos os meus pecados. Porque embora eu nunca tenha enganado nenhuma das mulheres com quem saí, sempre fui muito prepotente em relação a elas. Uma até havia me acusado de frio e arrogante. Quando ela me disse que um dia eu me apaixonaria eu não fiz mais nada além de rir. Aquela maldita só pode ter rogado uma praga ou feito feitiçaria.
    Disposto a desferir minha raiva em alguém, envio uma mensagem a Liam.
    "Você é um babaca, convite desfeito." Envio a mensagem a ele.
    Sei que está de plantão e não quero interromper caso esteja em alguma cirurgia importante, ele responderá assim que puder.
    "O que eu fiz?"
    Recebo a pergunta de volta alguns minutos depois.
    "Penelope, Ano Novo, casamento. Isso te lembra algo?"
    Eu tenho vontade de socar Liam como não faço a muito tempo.
    "Eu explico depois, há uma cirurgia de emergência."
    Estou prestes a mandá-lo ao inferno quando recebo outra mensagem.
    "Não pode retirar o convite. Já fiz meu discurso."
    Eu odeio o Liam porque eu não consigo odiá-lo.
    Desgraçado.

    ****

     — Então? — Peter surge a minha frente, graças a Deus, agora de robe — Está mais calmo?
    Meu olhar responde tudo.
    — Como é possível que não tenha encontrado nada ainda? Depois de todos esses meses.
     — Investiguei todas as pessoas que podem ser suspeitas. Ninguém se manifestou. Parece que o que querem é os manter separados.
    — Diga algo que eu ainda não sei — murmuro com sarcasmo.
     — O que eu falo, é que ficar longe faz com que a pessoa se mantenha calada...
     — E ficar com Penelope coloca a vida dela em segurança — esfrego meu rosto — Sabe o que aconteceu a última vez.
    Fui eu a parar no hospital. E eu não consigo pensar na possibilidade de vê-la ferida ou morta. Prefiro um mundo que ela não esteja comigo,  do que um mundo onde ela nao exista nele.
     — As câmeras de segurança, embora eu ache uma grande merda que ela não saiba, nos dá certa vantagem — diz ele — Mas precisamos que a pessoa aja para que dê um passo em falso. Você só tem feito o que ela quer.
     — Eu amo aquela mulher, Peter.
    — Nunca duvidei disso — ele me encara — Mas se quer mesmo ficar com ela, precisa agir logo.
    Essa constatação atinge o porto certo em mim. Assumo todos os ricos e posso perdê-la ou contínuo calado e a perco da mesma forma.
    O que tem me deixado ensandecido é presenciar seu sofrimento dia a dia.
     — Chegou a hora de abrir o jogo — murmuro esperando que eu tenha tomado a decisão certa — Eu só preciso encontrar uma maneira. Um lugar neutro onde não gere suspeitas até decidirmos o que fazer.  O hospital teria sido oportuno se eu tivesse tido tempo de explicar.
    Não foi a raiva momentânea de Penelope que a fez ficar louca, foi a expressão em meu rosto ao dizer que tínhamos que nos afastar.
    Embora eu estivesse disposto a explicar o porquê, que seria apenas por um tempo, a dor em meu olhar por fazer isso dizia outra coisa.
    — Vocês podem conversar aqui — sugere Peter.
    — Claro, isso não levantaria nenhuma suspeita — soo irônico.
    — Não se estiverem apenas em uma festa. Ambos são meus amigos.
    Talvez seja uma boa ideia. Se eu conseguir que Penelope me ouça sem levantar suspeitas irá acabar com toda essa tortura e sofrimento em que vivemos. Poderíamos em último caso simular uma separação. Embora ficar tão perto e tão longe seja um tormento da mesma maneira, mas estou disposto a correr os ricos.
    — Acha mesmo que isso pode dar certo? — indago, descrente.
    — O que perdemos em tentar? — pergunta ele com um sorriso enigmático.
    Ele eu não sei, mas eu, a minha vida. Porque é isso que Penelope significa para mim.
    O meu tudo.


    20 comentários :

    1. Ô meu Deusssss
      Acaba logo com isso!!!
      Põe logo os dois juntinhossssss

      ResponderExcluir
    2. Verdade!! Acaba com essa agonia ...rsrs

      ResponderExcluir
    3. Acaba logo com esse sofrimento
      Adoro ver os dois juntos
      Bj ♥

      ResponderExcluir
    4. Ainda falta muito pra eles ficarem juntos ??

      ResponderExcluir
    5. Ai meu coraçãozinho :( Quero esses dois juntos logo.

      ResponderExcluir
    6. eu ainda acho que é o ex-noivo dela que está fazendo as ameaças...

      ResponderExcluir
    7. Ainda não entendo o que motiva as pessoas fazerem as outras sofrerem!!!
      Como alguém pode querer causar sofrimento a pobre Charmosa ??? Já sofreu tanto.
      Penélope força o amor vencerá tudo.
      Parabéns Elizabeth

      ResponderExcluir
    8. Lindo, amo o seu romantismo, adoro quando ele se declara assim.
      Esta sofrendo bastante, mas não é possível q esse sofrimento vá durar por muito tempo....Aff, mta sofrência pra um casal só...
      Tem pessoas são mesquinhas e se não são felizes não querem vê ninguém feliz, infelizmente, a humanidade está pobre, com péssimos pensamentos. É o que essa pessoa está fazendo com o Adam e a Penélope.

      ResponderExcluir
    9. Pirando aqui em 3 2 1😝😝😝!!!!

      ResponderExcluir
    10. Pra mim quem esta por tras de tudo isso é o ex-noivo e o pai

      ResponderExcluir
    11. Pelo amor de Deus! Por favor, deixa eles ficarem juntos logo! Me dá isso de presente de aniversário, q é essa semana. Adoro esse livro.

      ResponderExcluir
    12. Puro mistério!!!! Quem será essa pessoa que quer tanto fazer o Adam sofrer? Eu acho que é a ex noiva dele rsrsrs

      ResponderExcluir
    13. Uau! Adam no seu modo príncipe é perfeito!

      ResponderExcluir
    14. Sinto falta da prima doida de Pê!!! Acho a prima dela ideal como par perfeito para Peter!!! Adam mudou mesmo pelo amor!!!

      ResponderExcluir
    15. Pra mim a pessoa é Aline. Faz a louca, mas morre de inveja de Penélope. Mas já está mais do que na hora de Adam contar pra ela, não? Já deu esse negócio de pra proteger fazer sofrer. Sem falar nessa "invasão" imperdoável de colocar câmera na casa dela. Pra quê? Beira a doença. Uma coisa é botar segurança, mas ela não saber que é vigiada em sua intimidade é triste. É criminoso tb. Gosto dele. Torço por ele. Mas isso não dá pra passar, não. E nem entender. :-(

      ResponderExcluir

    Obrigada por seu comentário. Volte sempre!

    O Preço de um amor

    Book trailer - Seduzida

    BookTrailer