• Home
  • |
  • Sobre a Autora
  • |
  • Livros
  • |
  • Vídeos
  • |
  • Agenda
  • |
  • Parceiros
  • |
  • Contato
  • Além do Amor - Capítulo 3





    Penelope

    31 de dezembro 2012


    Há um ano eu estive nesse mesmo local com minha tia Charlote. Eu não soube aquele dia que minha vida estava prestes a mudar radicalmente.
    Hoje ao invés de uma mera e tímida convidada, eu estou à frente da organização do evento. Isso me deixa um tanto nervosa.
    Todos os anos o Sr. Durant presenteia seus funcionários com uma grande festa de Ano Novo e esse ano não pode ser diferente.
    Eu sou a responsável para que mais uma vez dê tudo certo.
    Eu vim acompanhar tudo de perto desde a decoração até a comida e bebida que serão servidos mais tarde.
     —Acho que aqueles vasos ficarão melhores próximo a entrada — falo a uma das mulheres responsáveis pela decoração.
    — Eu estava pensando justamente isso — a morena baixinha sorri para mim — Você leva jeito.
    Antes que eu possa responder que passei anos com essa função na igreja, meu celular toca.
    Eu já sei quem é antes mesmo de atender.
    — Me fale que já terminou e está vindo para casa — ouço sua voz de menino birrento e mal consigo segurar o riso.
    — Ainda há algumas coisas que eu preciso fazer — murmuro — Houve um problema com um dos ingredientes do prato principal e estamos em busca de outro fornecedor.
    O suspiro resignado do outro lado da linha me indica que essa não é a resposta que Adam quis receber.
    — É só uma festa — resmunga ele — Dê comida e bebida as pessoas e elas ficarão felizes.
    — Adam...
    Eu não quero dizer que esse é o meu trabalho e por isso sou minuciosa em cada detalhe. Não é apenas uma festa. É a maior festa da empresa, esperada por todos e não quero arruiná-la de forma alguma.
     — Desculpe — a sinceridade em sua voz é aparente, então deixo passar esse pequeno deslize. — Ficarei esperando você ansiosamente como um cão dinamarquês a espera de comida.
    — Seu bobo — sorrio encantada.
    — Sabe que hoje é um dia especial, não é?
    — É a véspera do Ano Novo e faz um ano que nos conhecemos — interrompo-o.
    Há uma pequena pausa e eu me pergunto se ele ainda está na linha.
    — Não apenas isso — seu tom de voz parece tenso — Eu tenho algo importante a fazer.
    — O que é? — indago um pouco alarmada. — Adam?
    — Vejo você a noite — diz ele rapidamente, desligando em seguida.
    Eu teria retornado à ligação e insistido para que ele me revelasse o que o angustia tanto se o chefe da cozinha não estivesse a minha frente com um olhar de peixe morto.
    Com certeza, é outro problema à vista. Adam e os seus, teriam que ficar para depois.

    ****

    Após tudo resolvido e já no fim da tarde eu corro até o salão onde havia marcado hora com o cabeleireiro no dia anterior.
    É obvio que eu cheguei atrasada e é mais claro ainda que recebi aquele sermão. Nada que uma carinha de choro e uma voz meiga não pudessem resolver.
    — Está mais linda do que já é — Christopher admira sua obra prima em frente ao espelho amplo.
    Meus cabelos estão presos acima da cabeça em um coque que parece uma flor e cachos largos caem às minhas costas. Alguns fios de cabelos emolduram meu rosto. O penteado realmente está muito bonito.
    — Os convites que prometi a você — entrego o envelope a ele antes de seguir para recepção e fechar minha conta — Obrigada, Cris.
    Saindo dali, corro até a boutique onde havia deixado o vestido para um ajuste de última hora. Esses dias de tensão me renderam uns quilos a menos o que deixou Aline mordida de raiva quando citei o assunto.
    Assim que entro na casa de Adam, o relógio na parede me alerta da hora. Começo a subir a escada correndo, mas não chego ao menos no terceiro lance.
    Mãos fortes e firmes me param no meio do caminho.
    O peito largo e os braços agora em minha cintura fazem com que eu sinta uma leve embriaguez.
     — Não tão rápido, querida — as palavras são sussurradas em minha orelha causando arrepios em todo meu corpo.
     — Senti saudade — viro-me para ele e capturo seus lábios para um beijo exigente.
    Como sempre, é como se atuassem fogo em nós dois. Suas mãos percorrem meu corpo e quando chega a minha cabeça dou um pulo para trás.
    Por sorte estava no início da escada e Adam me amparou antes de eu cair estatelada no chão.
    — Meu cabelo, não — murmuro aflita, com medo que ele bagunce o meu penteado.
    — Arg... — seu olhar é muito zangado. — Não terá cabelo se quebrar o pescoço!
     — Desculpe — sorrio voltando a escada — Você tira qualquer capacidade lógica que eu tenho.
    Quer ver um homem sair do zangado para feliz, alimente seu ego. Embora na verdade não seja mentira, perto dele, principalmente quando está me beijando, eu perco qualquer chance de raciocínio.
    — Quem precisa de lógica? —indaga ele, pegando-me em seus braços enquanto me carrega para o andar de cima.
    No quarto Adam me coloca no chão, volta a me beijar com a mesma fome de antes. Sinto a cama bater em minhas pernas e logo sou empurrada sobre ela. Uso os cotovelos evitando que a minha cabeça toque o colchão.
     — Não senhor — cravo meu pé em sua barriga para impedir que ele avance sobre mim. — Não temos tempo para isso agora. Além disso, já fiz meu cabelo.
    — Ainda são sete horas — ronrona ele ao tirar meu sapato e massagear meu pé — Temos muito, muito tempo.
    O que eu quero é puxá-lo sobre mim e implorar que me dê todo prazer que ele sabe dar, mas eu não posso.
    — Tenho que voltar para o salão e ver se tudo está indo bem.
    Minha perna despenca na cama e presencio seu olhar animalesco, quase selvagem. Ao invés de sentir medo, a imagem me parece absurdamente sexy.
    — Pensei que iríamos juntos.
    — Eu sei que era o plano original — murmuro ao sentar na cama — Mas só ficarei tranquila depois que tudo estiver finalizado, afinal, Neil confiou em mim. Eu prometo recompensar você a noite toda.
    Faço um carinho em seu rosto e deposito pequenos beijinhos nele.
    — Que tal um banho na sua banheira? — continuo enchendo-o de beijos.
    — Está dentro da parte que irá me compensar a noite inteira? — questiona ele já me conduzindo para o banheiro.
    — Digamos que seja um bônus — gemo ao sentir suas mãos em meus seios. — Se não estragar o meu cabelo.
     — Mulheres... — sussurra Adam antes de me beijar — Não é seu cabelo que eu quero estragar, meu amor.
    Não foi uma tarefa fácil manter minha cabeça longe de suas mãos depravadas, mas espantosamente eu consegui.
    E sim, houve mais do que uma parte minha devastada por ele.
    Todo o meu corpo entrou em combustão.

    *****

    Alguns meses depois

    Enquanto Max fala comigo no restaurante durante o jantar, tudo o que eu consigo pensar é em Adam, em nossos últimos momentos felizes juntos. Naquele dia eu acreditei que nunca mais existiria um dia de infelicidade e sofrimento para mim. É claro que eu sabia que enfrentaríamos barreiras, mas acreditei que nosso amor derrubaria cada uma.
     — Por onde anda seus pensamentos?
    Desviou o olhar do meu prato quase intocado sobre a mesa e o encaro. 
    — Perdão...  — suspiro fundo — Eu não estou sendo uma boa companhia, poderíamos deixar esse jantar para um outro dia?
    — Ainda pensa nele, não é?
    — Maxwell...
    — Tudo bem, somos amigos, lembra?
     — Eu não sei se quero falar sobre isso.
     — Ok. Vamos embora.
    Droga. Eu havia encerrado uma noite que poderia ter sido agradável com um verdadeiro drama.
    Não que eu esteja disposta a voltar a ter um relacionamento afetivo com Max, mas sei lá, eu gostaria de um pouco de normalidade.
    Eu preciso sair dessa fossa e crise existencial que se tornou minha vida.
    — A noite ou que tivemos dela, foi divertida — Max sorri sem jeito quando paramos em frente a minha porta.
    Ele é bonito. Agora que ele descobriu a Penélope que realmente há em mim e não aquela garota sem vida, que foi sua noiva, temos um relacionamento muito melhor. Mas acho que nunca mais vou conseguir vê-lo além de um amigo. Não há atração e o forte magnetismo entre nós dois. Nunca houve.
    Qualquer um pode achar estranho que eu o tenha perdoado. Mas se Maxwell não tivesse me abandonado naquela igreja eu nunca teria descoberto o amor verdadeiro.
    E embora esse amor hoje me cause dor.
     —Eu sinto muito...
    Ele toca meus lábios me impedindo de continuar. — Nos vemos na segunda.
    Guio o meu corpo até o sofá onde fico por um bom tempo, na escuridão.
    Não acendi a luz, sinto que se iluminasse o ambiente pudesse trazer todas as memórias de Adam e eu.
    Os minutos se arrastam e fico cada vez mais aflita.
    Decido dar uma volta. As paredes, as lembranças e todos os sentimentos esmagando meu peito começam a me sufocar.
    Ando por alguns minutos, sem rumo certo a seguir. Olho os prédios, as poucas pessoas nas ruas seguindo para os seus lares e tento manter minha mente vazia.
    Quanto tempo será preciso para esquecê-lo? Na verdade, quando doeria menos me lembrar dele?
    Talvez muito tempo se eu continuar vendo-o em todos os lugares.
    Droga. Eu havia saído de casa porque estava muito difícil lidar com lembranças tão vívidas. Então por que em nome de Deus estou vendo-o sair do prédio a minha frente?
    — Adam?
    Seu olhar surpreso me diz que não é uma miragem. Por que uma alucinação se assustaria comigo?
    — Penelope? — ele está realmente muito espantado em me ver — O que faz aqui?
    Esse é uma pergunta que eu deveria fazer, afinal sou eu quem moro a dez minutos daqui.
    — Esse é p meu bairro, esqueceu? — indago incomodada. — O que você faz aqui?
    Me sinto idiota em perguntar. Obviamente que deve ter vindo atrás de outra e fico encolerizada apenas em imaginar.
    Enquanto eu sofro pelo desgraçado ele se diverte com outra.
    — Vim visitar um amigo — sua voz sai apressada.
     — Amigo? — eu quis evitar, mas meu tom de voz está carregado de ironia. — Não sabia que tinha amigos por esses lados.
    Fala sério. Muitas vezes andamos pelo bairro, fomos ao mercado, a algumas lojas e, até mesmo a um restaurante, duas ruas acima. Seria completamente natural que algumas dessas ocasiões, Adam tivesse citado esse amigo.
    Ele está mentindo descaradamente e isso só me causa mais ira.
    — Er... — ele não me encara — Ele acabou de chegar do Alaska.
    Alaska? Sério?
    — E qual o nome dele? — investigo.
    Vamos ver até onde Adam irá com isso.
     — Chandler Ford — murmura ele quase inaudível.
    — Como? — questiono, certamente eu havia entendido errado.
    — Chandler, ok — murmura ele, nervoso — É um velho amigo da faculdade. Chegou de viagem há alguns dias. Se você quiser nos subimos e eu a apresento a ele.
    Certo, o desgraçado havia passado a bola para mim. É claro que eu não acredito que esse tal Chandler, que por coincidência tem o mesmo nome de um dos personagens do meu seriado favorito, exista. Está mais para uma Rachel curvilínea e de pernas esguias.
    E é claro também que eu não vou me arriscar a passar pelo constrangimento de que a história dele seja mesmo verdade.  Meu orgulho próprio me impede de fazer isso.
    — Talvez uma outra hora.
    Esse é um daqueles momentos que você não sabe o passo seguinte.
     — Eu vou seguir meu caminho — murmuro, sentindo pesar em ter que me afastar dele.
    Me sinto ridícula.
    — Para onde está indo? — ele parece nervoso.
    — Para minha casa — suspiro sem saber ao certo por que estou dando explicações — Só vim dar uma volta.
    Já se sentiu de uma forma que não sabe o que fazer com os membros do seu corpo? É como se meus braços e pernas fossem tentáculos saindo do meu corpo e eu não tivesse a mínima ideia do que fazer com eles.
    — Noite ruim? — indaga ele, há um leve sorriso estampado em seu rosto.
    Um sorriso vitorioso embora eu não saiba porquê.
    — Quente... — murmuro — O apartamento estava muito quente. Bem, eu já vou indo.
    — Vou acompanhar você.
    Ele se põe ao meu lado. Estamos na rua. Há até mesmo uma brisa fria, mas eu sinto muito calor, apenas em tê-lo rente a mim.
    — Por quê? — a pergunta soa ríspida e eu me contorço.
    Não quero que Adam pense que me afeta mais do que deveria.
    Puff. A quem estou querendo enganar? Ele me afeta apenas por existir.
    — Está tarde — diz ele — Não vou deixar que ande sozinha.
    — Quanta consideração — murmuro amarga. — Por que ela não surgiu meses atrás?
    Eu tenho vontade de me estapear. Em menos de quinze minutos eu tive uma crise de ciúmes e agora me comporto como uma mulher desolada.
    — Se você me deixasse explicar — murmura ele rangendo os dentes. — Aquele dia no hospital eu...
    — Não quero suas explicações, Adam — paro para encará-lo. — Eu esperei um pedido de casamento como Liam disse que você faria, em vez disso eu fui informada, não, me foi imposto a me a ficar longe.
    — Eu não tive escolha! — ele se altera — Nunca me deixou explicar. Eu precisei...
    — Não importa mais! — minha voz ecoa pela rua vazia — Só quero que me deixe em paz.
    Luto contra as lágrimas teimosas querendo rolar pelo meu rosto.
    — Eu sobrevivi a você, Adam. Foi difícil, mas eu consegui — dou as costas a ele — Deixe que eu continue viva, colando os pedaços que você deixou para trás.
    Enquanto caminho sinto sua presença as minhas costas. Eu gostaria de tentar entendê-lo, mas baixar a guarda de novo é o mesmo que enfiar uma estaca em meu coração. Eu não sobreviveria a isso.
    Nós não poderíamos ser amigos como eu e Max. A diferença é que amo Adam demais. Eu o amarei por toda a vida.
    Quando atravesso a porta que dá acesso aos apartamentos, arrisco-me em olhar para trás.
    Lembro do dia que o encontrei na chuva com o ramalhete de flores.
    Não há uma tempestade essa noite. Estranhamente há uma linda lua e estrelas no céu. Mas quando eu fecho a porta, privando meus olhos dos dele, eu encontro a tempestade, ela é impiedosa dentro de mim.



    21 comentários :

    1. Triste de ver esses dois separado :'( Que eles voltem logo ❤️

      ResponderExcluir
    2. Oh meu Deus, por que?!!? Um amor tão lindo!!! E tá aparecendo algumas peças para se encaixarem!!! Bjs parabéns está tudo lindo!!

      ResponderExcluir
    3. Ele I pedir ela em casamento, parece que se acidentei, será a bru a da Celeste? Hummmmm. Agora estou começando a entender.

      ResponderExcluir
    4. ai to desanimada ... muito drama poxa diva please to ficando amargurada e o livro mal começou .... mas acima de tudo o capitulo foi bom

      ResponderExcluir
    5. Nossa, muito triste ver os dois separados! :(

      ResponderExcluir
    6. Ai meu Deus será que vou aguentar. Triste ver esses dois separados. #ansiosa pelo próximo. Chegada logooo quarta feira por favorzinho com queijo.😉 gata VC é.... sem palavra. Parabéns

      ResponderExcluir
    7. Tanta tristeza para duas pessoas q se amam.
      Dói ver todo esse sofrimento deles, e o pior saber q eles não podem ficar juntos por causa de algum (a) louco (a) q tem por ai. O q aconteceu no Ano Novo, pq ele foi para no hospital? A bruxa entrou em ação de novo?...Aff, tem como matá logo essa pessoa?...Estou de coração sangrando por causa do sofrimento deles, e a Pê, pior ainda, ela narrando foi doloroso d+.

      ResponderExcluir
    8. Por favor que eles voltem a ficar juntos logo! De drama já basta da minha vida

      ResponderExcluir
    9. Elizabeth como você sabe sou apaixonada por seus livros. Essa estória esta destruindo o meu coração. Tenha piedade de nós suas leitoras.
      A estória desse casal é muito linda !!!!! Por favor faça um livro pra eles só com amor e futuro de conto de fadas, sem lágrimas. Parabéns seu talento não tem limites. bjs Andreza Viúde

      ResponderExcluir
    10. Elizabeth como você sabe sou apaixonada por seus livros. Essa estória esta destruindo o meu coração. Tenha piedade de nós suas leitoras.
      A estória desse casal é muito linda !!!!! Por favor faça um livro pra eles só com amor e futuro de conto de fadas, sem lágrimas. Parabéns seu talento não tem limites. bjs Andreza Viúde

      ResponderExcluir
    11. Quanta confusão para um casal só! Quando os veremos felizes? E quando ela ficará grávida?

      ResponderExcluir
    12. Triste mesmo quero ver os dois juntos logo muito ansiosa!

      ResponderExcluir
    13. Triste mesmo quero ver os dois juntos logo muito ansiosa!

      ResponderExcluir
    14. Como estou sofrendo junto com esse casal, com esta separação, meu deus, amo muito esta história, autora linda você arrasa na escrita, a profundidade de sentimentos desses dois, rasgam a alma.

      ResponderExcluir
    15. Estou confusa. No final do último livro eles estavam juntos. Já nesse, estão separados, e nos outros capítulos ora estão juntos, ora estão separados?!!!
      não estou conseguindo me situar na história. Parece q o meio virou início, o final virou meio e o início virou final?!!!! 😯😯😯😯😕😕😕😕😕

      ResponderExcluir

    Obrigada por seu comentário. Volte sempre!

    O Preço de um amor

    Book trailer - Seduzida

    BookTrailer