• Home
  • |
  • Sobre a Autora
  • |
  • Livros
  • |
  • Vídeos
  • |
  • Agenda
  • |
  • Parceiros
  • |
  • Contato
  • Além do Amor - Capitulo 1


    PS: Olá meninas, tudo bem? Eu voltei, mas antes de lerem o capítulo se atentem aos recados. Como eu disse antes, esse livro precisa de um pouquito mais de atenção, passado e presente se misturam e os outros personagens se encontram. 
    Sobre as postagens farei toda  quarta, caso algum imprevisto aconteça, tentarei antecipar. Espero que continuem a amar o livro. Bjoss <3 

    Penélope

    Definitivamente as pessoas não morrem de amor. Embora, eu, incontáveis vezes desejasse que sim. Eu já deixei de contar quantas horas, dias, semanas ou meses que se passaram desde que Adam e eu nos separamos. A dor que pulsa em meu peito é constante, imagino-a como um câncer, arrancando de mim todas as partes boas. Mas eu tenho sobrevivido e suportado cada dia.
    Comer, dormir, trabalhar, e assim eu sigo para mais um dia da minha vida insignificante.
    — Almoço amanhã à tarde... — o sussurro rente aos meus ouvidos revela quem é meu interlocutor antes de entrarmos no elevador. — E não aceito um não como resposta. Abriu um restaurante novo aqui perto, acho que você vai adorar conhecer.
    Sorrio, mas por educação do que por vontade. Tenho feito muito isso também, aliás, descobri que sou uma ótima atriz, capaz de camuflar meus reais sentimentos atrás de um sorriso supostamente doce.
    — Você sabe que eu não tenho um horário correto, Max.
     Não é exatamente mentira para me esquivar do seu convite para o almoço, embora seja a desculpa perfeita para me poupar de uma hora fingindo que o ouço e acabar com o maxilar dolorido por um sorriso falso. — O Sr. Durant anda meio preocupado nos últimos dias.
    Na verdade, estou sendo gentil, Neil anda insuportável. Um grande projeto foi roubado da empresa há algum tempo e não temos nenhuma informação de quem possa ter feito isso. Por sorte era um projeto em iniciação e não houve grandes danos a não ser uma leve queda na bolsa de valores, algo que meu chefe com sua mente brilhante conseguiu reverter.
    No momento, a sede da DET anda com um clima carregado, apesar de todos os esforços de Peter que está à frente das investigações, não chegaram a nenhuma conclusão de quem possa ser o espião e, no momento verificam todas as cópias de fitas da segurança do prédio, algo que tem preocupado muitas pessoas, inclusive eu. Sempre que me lembro que em algum momento, verão Adam e eu, transado na garagem do prédio, eu sinto calafrios por todo meu corpo.
    Se alguém teve dúvidas sobre nosso envolvimento, agora terão certeza. Outra vez, serei o alvo de fofocas e comentários irritantes. Eu não entendo a minha capacidade de fazer da minha vida um drama de novela mexicana.
    — Você deveria largar esse trabalho maçante e vir trabalhar comigo — ele sorri, mostrando uma fileira de dentes perfeitos.
    Estranhamente havíamos nos tornado bons amigos. Max ajudou-me a não mergulhar no mar de tristeza e solidão que eu provavelmente teria me afogado. Claro que nas primeiras semanas eu não quis saber de ninguém, até mesmo cogitei a possibilidade de retornar para minha cidade e voltar a viver com os meus pais. Mas nada mudará o que sinto, ou o que não sinto. Creio que haja dentro de mim um vazio que ninguém mais será capaz de preencher.
    — Bem, se as coisas continuarem o jeito que penso, provavelmente aceitarei sua oferta muito em breve — respiro fundo e tento controlar uma nova onda de calafrios arrepiando minha pele com a mera lembrança daquele dia.
    Ah, quando penso na maldita gravação comprometedora. O que o meu chefe dirá ao se deparar com aquilo? Eu me arrisco a dizer que já posso contar os minutos que ainda tenho na empresa.
    Bem, talvez ser despedida até que seja bom. Eu não terei mais que encontrar com Adam, embora agora, suas visitas sejam bem menos rotineiras, também não preciso mais ter que ouvir o som da sua voz aveludada ao telefone quando ele liga e nem ficar apreensiva com a ideia de que ele possa aparecer a qualquer momento, desestruturando meu mundo.
    — Penélope?
    Uma parede de músculo tapa minha visão do corredor assim que as portas se abrem.
    Droga. Algo me diz que a pequena embalagem de papel pardo dobrado ao meio, selará meu destino. Aconteceu bem antes do que eu imaginei. A reação de Neil deve ter sido realmente intempestiva ao ponto de pedir que o amigo fizesse o papel de vilão ao me demitir.
    — Posso falar com você? — indaga Peter encarando Max com cara de poucos amigos. A expressão em seu rosto faria qualquer um correr em busca da mãe como um garotinho, e foi exatamente o que Max fez.
    — Eu já sei o que tem a dizer — reúno o pouco que me resta de coragem e tento passar por ele — Só vou arrumar minhas coisas.
    — Do que você está falando? — indaga ele ao envolver suas mãos fortes em volta da minha cintura.
    Eu sempre gostei do Peter, ao contrário da sua aparência intimidante, ele sempre foi muito gentil comigo, não entendo porque justamente agora ele queira o papel de torturador.
    — É sobre a fita? — indico o envelope em sua mão e olho para os meus sapatos evitando encará-lo. — O quanto você viu?
    — O suficiente...
    Merda. Ele não negou. Minha vontade é me enfiar debaixo das cobertas que eu havia deixado desarrumada em minha cama e ficar nela até o meu último dia de vida e se eu tivesse alguma sorte, ela seria muito breve.
     — Acho que isso pertence a você — murmura ele, estendendo o envelope em minha direção. — Não permiti que ninguém mais olhasse.
    Quando eu ergo a cabeça, noto que agora é ele que foca o olhar em seus próprios pés. Quem poderia dizer que ele ficaria envergonhado?
    — Neil... ele... bem... — gaguejo buscando palavras para a minha pergunta.
    — Não, ele não viu — seus olhos encontram os meus e vejo um sorriso maroto que ele tenta controlar em seus lábios.
    Aposto que o suficiente que ele disse, foi exatamente tudo.
    Ah! Maldito pervertido. Peter havia assistido Adam e eu fazendo amor?
    — Eu tenho que ir agora — diz ele ficando sério.
    Provavelmente meu olhar fulminante tenha alertado a ele que uma mulher furiosa é mais perigosa que um homem armado.
    — Se eu fosse você teria cuidado com isso — Peter alerta antes de seguir pelo corredor — Não gostará que caia em mãos erradas.
    Obviamente que eu vou destruir essa gravação na primeira oportunidade. O que ele pensa que eu faria? Que eu me jogaria em minha cama para assistir um dos momentos mais incríveis da minha vida?
    Não mesmo!
    — Penélope?
    Pulo em meus saltos, impressionada por não ter me desequilibrado e quebrado a perna. O que há com as pessoas hoje para me assustarem a todo momento?
    — Aline.
    Guardo rapidamente o envelope em minha bolsa e dou a ela o meu melhor sorriso.
    — Neil está procurando por você. — murmura ela sem fôlego — Sugiro que vá preparada, ele parece mais irritado do que de manhã.
    Praticamente corro até minha sala onde jogo a bolsa. Peter havia jurado que ninguém mais havia olhado a fita, mas não quer dizer que ninguém mais tenha assistido antes dele.
    — Senhor?
    Encontro-o andando de uma ponta a outra da sala. Ele parece perdido em seu próprio mundo e ao mesmo tempo alerta em tudo que se passa em volta dele.
    — Ligue para o Crighton e peça que venha urgentemente — diz ele, e no mesmo momento sinto minhas pernas tremerem como gelatinas.
    Pior do que saber que Peter, meu chefe e sei lá quantas pessoas, haviam me visto em cenas muito íntimas e constrangedoras ao lado do homem que desnorteou minha cabeça ao ponto de ter me tornado tão descuidada e imprudente.
    Sem contar o fato de que vê-lo sempre mexe comigo de uma forma inexplicável. Quem disse que as coisas não poderiam ficar piores?
    — Senhor eu...
    — Não importa o que ele esteja fazendo — enfatiza ele, dessa vez olhando para mim. — Quero-o aqui!
    — Sim, senhor — murmuro quase inaudível antes de sair.
    Meus passos, gestos e movimentos ao seguir para minha sala e ao pegar o telefone são mecânicos. Eu deveria fugir. Sim, correr para o mais longe que eu conseguisse, mas como sempre eu opto pelo caminho mais difícil que é enfrentar meus problemas de frente.
    Tudo bem, eu havia agido de forma ensandecida, mas não é assim que agem os apaixonados? Resta-me agora reunir o pouco de orgulho que ainda resta em mim e sair dessa empresa de cabeça erguida.
    — Crighton — a voz de Verônica me tira desse estado de estupor.
    — Olá, Verônica —pigarreio suavemente para diluir o nó em minha garganta — O Sr. Crighton se encontra?
    Passei a falar diretamente com ela, sempre que era necessário entrar em contato com Adam. Não nos tornamos amigas ou se quer um pouco mais íntimas, mas nós nos tratamos com respeito profissional. Sei que no fundo ela me acha patética, afinal eu fui  mais uma das mulheres iludidas que haviam preenchido a lista do seu chefe. Provavelmente ela e a irmã se sentem vingadas por eu ter me tornado apenas mais um número riscado na agenda dele.
    — Saiu para o almoço tem quinze minutos — murmura ela.
    — Preciso que ele venha até a empresa imediatamente...
    Apenas para observar minha humilhação pública, completo mentalmente. Espantosamente o fato de ter que o rever me abala mais do que os sermões e carta de demissão que receberei do meu chefe. E apesar de no momento eu o odiar como nunca odiei ninguém, há uma grande parcela em meu coração masoquista que insiste em amá-lo.
    — Entrarei em contato com ele — informa ela.
    Murmuro um agradecimento e tento, apenas tento voltar minha atenção para o trabalho. Eu posso dizer que no momento é que me mantém sã. Mergulhar no trabalho é o que tem me dado forças para levantar da cama, afinal a vida deve continuar. E a minha não ia parar por causa de um coração partido, por mais que algumas vezes, principalmente durante as noites frias e solitárias, eu sinta que sim.

    ****

    Estou em uma briga desleal contra a gaveta de arquivos quando os pelos da minha nuca ficam eriçados e sinto meu corpo inteiro arrepiar. Não que eu precise erguer o olhar para que eu identifique a pessoa em frente a mim. Algumas pessoas tem um magnetismo marcante. Adam, sem dúvida alguma é assim, ou talvez seja o fato de que ele é mais importante para mim do que qualquer pessoa no mundo.
    A dúvida entre encontrar seus olhos escuros e lindos e a vontade de ignorá-lo no intuito de me proteger, dividem-me ao meio. Mas o coração feminino, é masoquista.
    Incrivelmente a primeira sensação que eu tenho é boa. Aquela felicidade que temos ao ver quem amamos, que é capaz de aquecer nosso coração como um dia ensolarado. São cinco minutos de felicidade que são substituídos pela dura realidade.
    Estamos separados.
    Enquanto fagulhas de dor criam uma nova camada em meu peito, meus olhos não conseguem observar mais nada, além do seu rosto lindo, que não estão focados nos meus como deveriam.
    Adam está claramente devorando meus seios através do decote do vestido, que aliado à minha posição inclinada contra a gaveta, deixa-os ainda mais visível.
    Malditos homens, todos eles. Enquanto minha preocupação é manter meu coração protegido, ele pensa em sexo!
    Ergo-me apressadamente, ouço o gemido de protesto e me sinto tão feliz como uma bruxa malvada tirando o doce da criança. Adam constantemente me dizia o quanto meus seios o fascinava, então, por um instante eu tenho o delicioso sabor da vingança escorrendo pelos meus lábios. 
    — Precisamos conversar — murmura Adam, o som da sua voz causa um leve estremecimento em meu corpo.
    Eu já deveria ser imune e sua presença, seu cheiro seu toque, acima de tudo meu corpo traidor, deveria estar ao meu lado.
    — Acho que já dissemos tudo — empurro a gaveta emperrada com força, mas tudo que eu consigo é me desequilibrar, fazendo com que ele venha ao meu socorro.
    Quando os dedos escorregam pela pele nua dos meus braços e fixam em minha cintura, unindo nossos corpos, todo autocontrole que acreditei existir em mim, esvai-se como uma nuvem de fumaça.
     Eu não deveria reagir dessa maneira ao toque de sua mão em minha pele, seus dedos me acariciando não deveriam causar essa sensação vertiginosa e meu coração não deveria bater com tanta força como agora. Acima de tudo eu não deveria desejar que Adam me beijasse.
    Não deveria desejar sentir nada mais do que raiva, a mesma raiva que me fez afastá-lo de mim.
    — Por que se recusa a me ouvir? — indaga ele, frustrado e com algo mais em seu olhar que não sei definir muito bem.
    Talvez dor? Arrependimento?
    — Você pode não querer me ouvir — murmura ele, seu hálito quente acarinhando meu rosto — Mas o seu corpo fala. Ele sempre foi a parte mais comunicativa de você.
    Ele tem razão, não importa que minha mente diga que devo afastá-lo de mim, que na verdade deveria mandá-lo ao inferno, meu corpo sempre reagiria de uma forma diferente, contrariando a razão.
    Então ele me beijou. Como algo pode parecer tão certo e tão errado ao mesmo tempo?
    Enquanto sua língua passeia por minha boca me arrancando suspiros e produzindo arrepios pelo meu corpo, tudo o que penso é como parecemos perfeitos quando estamos juntos.
    Adam me encurrala contra as gavetas do armário e pressiona seu corpo no meu. Sua excitação é tão evidente quanto o palpitar entre minhas pernas.
    Suas mãos passeiam pelo meu corpo e o beijo se torna animalesco, carregado de fúria e um desejo descontrolado que domina nós dois.
    Ele agarra minha coxa enroscando minha perna em sua cintura enquanto esfrega seu membro em mim, duro como mármore. Sua mão desliza por minha perna, desliza por minha coxa e antes que eu possa impedir, ela está dentro da minha calcinha já úmida e, quando seus dedos dedilham fazendo um rastro tortuoso até meu clitóris pulsante, sinto minha perna ceder.
    Eu só poderia estar ficando maluca, mesmo sabendo que há uma gravação que certamente me dará demissão a justa causa, me encontro aqui, outra vez derretendo nos braços do homem que provocou todo meu infortúnio. Que maldito poder ele pode ter sobre mim.
    Eu poderia continuar navegando por esses pensamentos absurdos se se seus dedos ágeis não estivessem me fodendo de uma forma desnorteante. 
    — Deus! — o som agudo escapa da minha garganta e logo sua boca cobre a minha abafando os ruídos desconexos que brotam em meus lábios.
    Adam me toma de todas as formas. Ele reivindica minha boca, meu corpo, mente e até mesmo minha alma pertencem a ele e não há nada que eu possa fazer, além de mergulhar no prazer que ele causa em mim.  Eu explodo em um orgasmo que tira de mim todo meu autocontrole, gemendo seu nome em minha boca a cada espasmo de prazer.
    Preciso de alguns minutos para recobrar a consciência e voltar a mim. Estou presa entre a realidade e a loucura que acabamos de viver.
    — Então agora irá me ouvir?
    Encaro seu rosto, lindo, mas com o leve olhar arrogante e vitorioso de quando o conheci. Uma tecla foi ligada em minha mente assim que ele proferiu as malditas palavras.
    — Era isso o que você queria? — indago furiosa. Sentir raiva dele me dá toda força que eu preciso. Aprendi que sentir raiva é a única forma de mantê-lo distante para assegurar que meu coração permaneça seguro. — Fazer sexo comigo e a estúpida fará tudo o que você quer.
    — Sexo? - Adam me encara raivoso — Isso não foi sexo, já que só um de nós dois sentiu prazer.
    Mesmo contra minha vontade meus olhos vagueiam até sua calça e constato o que ele me diz. É impossível não notar seu pau excitado sob o tecido da calça. Alguém mais está tendo um momento difícil além de mim.
    — Bem, resolva com qualquer outra idiota — empurro-o para longe de mim antes que meu corpo volte a ter vontade própria. - Isso não é um problema para você.
    — Penélope! — sinto sua mão em meu braço, impedindo que eu saia da sala de arquivo e faça o que eu sempre fiz, fugir. — Por que se recusa a me ouvir?
    — O que tem a dizer Adam? — viro-me para ele pouco me importando em demostrar toda dor em meu coração, não sou tão dissimulada assim. — Eu quero continuar a te foder, mas só podemos ser amigos. Eu já sei, mas não estou interessada. Desculpe, eu não sei e nem quero jogar esse jogo.
    — Não é um jogo! — suas mãos tentam me aproximar do seu corpo, mas sou resistente - Nunca foi...
    — Eu fui clara aquele dia — murmuro. — Não vou permitir que me magoe outra vez.
    Não quero ouvir nada do que ele tem a dizer.  Já falamos tudo o que precisamos ao outro.
    — Senhor Durant — minha voz soa tensa ao telefone. — O Dr. Crighton está aqui.
    Observo Adam passar por mim. Seu olhar furioso em direção a mim teria me assustado em outro momento, hoje me encoraja a permanecer distante.
    A hora seguinte passa se arrastando. A cada minuto eu me pergunto quando será exigida minha presença, algo que não aconteceu ainda.
    Quanto tempo precisam para ver e falar sobre a droga da gravação. Foi um momento incrível entre Adam e eu, mas não deve ter demorado mais de meia hora. O que tanto eles precisam discutir sobre aquele dia?
    Assim que concluo esse pensamento a porta de Neil é aberta e observo os dois saírem. Ambos se encontram com a expressão fechada.
    — Você tem que me livrar da minha mulher — ouço Neil dizer ao se aproximarem da minha mesa. — Eu farei qualquer coisa por isso.
    — Vou me empenhar nisso e recrutar a melhor equipe — murmura Adam em seguida.
    Entre confusa e assustada eu tento acompanhar o que eles dizem.
    — Cancele todos os meus compromissos na agenda — Neil ordena a mim. — Até amanhã, senhorita Walker.
    — Amanhã? — pergunto confusa.
    — Tem algo que a impeça de trabalhar amanhã?
    Neil parece tão confuso quanto eu.
    — Não senhor. — Encaro Adam em busca de alguma informação, talvez ele tenha feito algo que impedisse minha demissão, mas ele parece apenas irritado em me ver. — Pensei que ao ver a fita...
    Gaguejo e desvio meus olhos dos olhares penetrantes sobre mim. Certo, provavelmente me acham louca.
    — Peter falou alguma coisa? — indaga Neil com a voz ansiosa.
    "Eu não mostrei para ninguém." Foi o que ele disse a mim.
    — Não senhor — respondo aliviada. — Estava apenas curiosa.
    — Nesse caso, até amanhã — murmura Neil voltando ao assunto anterior.
    Divórcio.
    Assisto os dois saírem e me jogo na cadeira em seguida. Em menos de cinco horas eu obtive cenas nadas apropriadas com Adam no estacionamento, tive um orgasmo alucinante na sala de arquivos e descobri que não serei despedida como temi.
    Quando a minha vida seria normal?
    Essa pergunta martelou em minha cabeça pelo resto do dia. Nem mesmo o banho relaxante conseguiu me desviar desses pensamentos.
    Será que perder meu emprego não teria sido a melhor opção? Afinal, hoje eu tive a prova que por mais que eu tenha armazenado dentro de mim toda raiva e ódio que poderia nutrir por Adam, no fundo ainda o amo com loucura.
    Frustrada e irritada comigo mesma resolvo me distrair com a TV. Tenho um seriado novo. Definitivamente Friends havia acabado para mim.
    Antes mesmo de procurar o box com os filmes, lembro do CD perdido em minha bolsa. Segundos antes de o destruir opto por assistir. Deito na cama e espero enquanto as imagens vão surgindo.
    Não há sons, nem mesmo as imagens são tão explicitas assim. Adam havia tido o cuidado de me proteger o máximo possível. Mas as imagens daquele dia são tão nítidas em minha cabeça que pareço revivê-la a cada minuto.
    Enquanto observo o casal que se entrega ao momento apaixonado eu dou ao meu corpo o prazer que ele necessita, imaginando que em vez de minhas mãos me tocando são as de Adam me enlouquecendo como fez algumas horas atrás.
    Não importa se estamos perto ou longe, ele sempre seria o único a me levar ao paraíso.


    47 comentários :

    1. Ai meu Deus,aguenta coração que vai começar todas emoções novamente !!

      ResponderExcluir
    2. Quê qué isso minha gente!!!!
      Delícia de capítulo!!!
      Wowwww ....que venha maissss.....rsrs

      ResponderExcluir
    3. Nossa! Que curiosidade p saber o q aconteceu...

      ResponderExcluir
    4. Nossa! Que curiosidade p saber o q aconteceu...

      ResponderExcluir
    5. Vixe que ela voltou d+ gente!!! Autora parabéns, mais um capítulo com gostinho de quero mais. Bjs. Ansiedade me define.

      ResponderExcluir
    6. Capitulo estimulante! Deixou gostinho de quero mais. Confesso que tive que rever o final do livro 1 para poder me situar, mas fiquei um pouco confusa. O livro 1 terminou com o Adam pensando em pedi-la em casamento e agora estão separados. Aguardando o próximo capítulo para conseguir entender. Bom conhecê-la na Bienal!

      ResponderExcluir
    7. Capítulo perfeito! Voltou p gente! Que felicidade !

      ResponderExcluir
    8. Nossa que capítulo intenso e cheio de surpresas, já começou com a separação deles, meu coração está em frangalhos, já começou com o casal afastados, quero saber tudo, porque se separaram dessa vez, ansiosa pela próxima quarta-feira.

      ResponderExcluir
    9. aeeee eles voltaram doida por mais na verdade por tudo eheheheheheh

      ResponderExcluir
    10. Este comentário foi removido pelo autor.

      ResponderExcluir
    11. Hoje vc foi boazinha!!! Bjs está lindo o livro é fico cada vez mais ansiosa!!!

      ResponderExcluir
    12. OMG :o Esses dois nesse vai e volta kkk Adam deve ter aprontado alguma.

      ResponderExcluir
    13. Que Saudade!!!!!!!
      Um retorno brilhante, um capítulo com muitos detalhes.
      Ansiosa por mais. Parabéns!!!!! Andreza Viude

      ResponderExcluir
    14. Beth parabéns.... mais uma vez arrasando <3

      ResponderExcluir
    15. Amei o capítulo!!!! Estava com saudades do Adam e da Penélope <3

      ResponderExcluir
    16. Mas eles não estavam bem e juntos? O que aconteceu? Confusa

      ResponderExcluir
    17. Mas eles não estavam bem e juntos? O que aconteceu? Confusa

      ResponderExcluir
    18. Fiquei um pouco confusa. No livro 1 eles terminaram bem, mas agora estão separados de novo.

      ResponderExcluir
    19. Então ele encontrou ela na chuva e depois nada. Ai aparece o Peter colocando cameras no apto dela e agora eles estão separados, acho que perdemos alguma coisa tipo porque brigaram....

      ResponderExcluir
    20. Como sempre muito bom!!! Só fiquei confusa sobre eles estarem separados!!! Querendo mais!!!

      ResponderExcluir
    21. Adorei! Como você mesma falou será bem detalhado porque vai explica desde o primeiro livro, eles vão passar por muitas coisas, mas espero cada capítulo ansiosa, você está de parabéns. Bjsss Beth

      ResponderExcluir
    22. Não entendi uma coisa: o livro 1 acabou? Porque no capítulo 39 está como fim da parte 1. E a parte 2? É esse novo livro?

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. isso, fim da parte um o fim do primeiro livro, agora a continuação parte dois ou livro dois

        Excluir
    23. finalmente voltou, que aleegria. mas n vou ler agora, pelo menos tentarei n ler neh. vamos acumular alguns capítulos

      ResponderExcluir
    24. "Sei que no fundo ela me acha patética, afinal eu fui mais uma das mulheres iludidas que haviam preenchido a lista do seu chefe. Provavelmente ela e a irmã se sentem vingadas por eu ter me tornado apenas mais um número riscado na agenda dele."
      "- Bem, resolva com qualquer outra idiota - empurro-o para longe de mim antes que meu corpo volte a ter vontade própria. - Isso não é um problema para você."

      Sinto o cheiro de traição no ar, meu coração esta partido, espero que esteja errada.
      Por favor posta mais, agora eu to angustiada!
      D:

      ResponderExcluir
    25. Maravilhoso ansiosissima por mais. #AdamPenelope

      ResponderExcluir
    26. Maravilhoso ansiosissima por mais. #AdamPenelope

      ResponderExcluir
    27. Maravilhoso ansiosissima por mais. #AdamPenelope

      ResponderExcluir
    28. Aí meu Deus que maravilha meu coração não vai aguentar.😱💝

      ResponderExcluir
    29. Aí meu Deus que maravilha meu coração não vai aguentar.😱💝

      ResponderExcluir
    30. Hummmm
      Hj é quarta
      Dia de capitulooóoooó.....
      .......eeeee.....cadê?????

      ResponderExcluir
    31. :( já entrei mil vezes e nada do novo capítulo... Ruim não ter uma frequência legal...

      ResponderExcluir
    32. Também estou esperando pelo novo capítulo :-(

      ResponderExcluir

    Obrigada por seu comentário. Volte sempre!

    O Preço de um amor

    Book trailer - Seduzida

    BookTrailer